quinta-feira, 14 de março de 2013

Mountain Bike

Há um ano e uns dias atrás eu começava minha empreitada ciclística rumo ao interior de Goiás. Tá legal que está mais para proximidades da grande Goiânia, mas não deixa de ser interior do estado. Antes de tais aventuras, pedalava para ir e voltar do serviço, pedaladas esporádicas a setores longínquos de minha humilde residência e por ai vai.

Atravessando pela água para chegar a Sto. Antônio

Comecei sozinho em 21 de fevereiro de 2012. Fui a Santo Antônio de Goiás e não quis nunca mais voltar. Nada contra a cidade, só achei o caminho extremamente longo, cansativo, o mais puro masoquismo. Voltei pra  casa e xinguei horrores pelas dores que sentia e disse a minha esposa que nunca mais faria aquilo outra vez. No outro sábado estava eu lá pedalando novamente. Dessa vez sem o sofrimento sentido do passeio anterior.

Neste período meu pai, Sr. Juvenato, curioso que só ele com o caminho alternativo que trilhei para chegar a Santo Antônio de Goiás - sendo 29 km saindo da Praça Cívica, 24 saindo de casa e 21 saindo de bike, resolveu pegar sua motocicleta e me acompanhar até a cidadezinha.

Das coisas que já vimos por ai: Pobre pônei puxando carroça.

Ele ficou maravilhado com o caminho. Teve até momento nostálgico ao lembrar o tempo em que ele pescava ilegalmente na lagoa seca de Santo Antônio. Resolveu, neste dia, que compraria uma bike e me acompanharia nessa nova pequena aventura. Inicialmente alegou que pedalaria comigo pois o caminho era relativamente abandonado e que por isso me faria companhia. Fiz que acreditei e o ajudei a escolher uma bicicleta razoável, desdas que agente compra sem a certeza da continuidade do hobby, por isso não muito cara.

Como disse lá em cima, dia 21.02.2012 comecei. Meu pai no dia 30 de abril do mesmo ano. De cara, na primeira pedalada do Sr. Juvenato, fomos até um setor, uns chamam de corrutela, a poucos quilômetros de Nerópolis. Queimamos, cozinhamos, fritamos ao sol. Completamente despreparados pedalamos 62 km. Lembro que chegamos em casa por volta das 14h sendo que saímos as 8h da manhã!

Da esquerda para direita: Neguinha, Juvenato e quem vos escreve

Ambos vamos fazendo nossa manutenção da saúde. Eu consegui sair da linha da obesidade, dessa bem clichê que agente ganha quando se é recém casado. Meu pai controla seu nível de diabetes. Devemos nossa atual conjuntura, uma vida mais saudável, ao grupo de ciclismo Pedal Goiano. A descoberta do grupo me provocou uma vontade insana de pedalar. O Pedal Goiano visa a conscientização do uso da bicicleta como meio de transporte e cobra muito a construção de uma ciclovia realmente funcional em Goiânia.

Todos os sábados, salvo aviso com antecedência, o grupo faz um pedal divertido e bem light pelos parques de nossa simpática Goiânia. É legal notar que sempre tem gente nova se juntando ao grupo. Quanto mais somos, mais somos notados.

Sr. meu pai, Juvenato, nas proximidades da Vila Rica.

Aos domingos, eu e meu pai partimos para nosso "caminho da roça". Sempre vamos a Santo Antônio, Nerópolis ou Nova Veneza. Também já fomos, só uma vez, à Fazenda Santa Branca em Teresópolis de Goiás. Eu elejo, de longe, Nova Veneza como o terreno mais difícil de se transpor.

Recentemente uma companhia foi adicionada à dupla, Christian Gump, que conheci por meio do grupo de blogueiros aqui de Gyn há anos. De cara nos fizemos o Gump pedalar 61 km! Como ele já tinha um preparo físico prévio, não sofreu tanto. Vamos ver se ele continua conosco.

Pronto! Está justificado o pagamento do domínio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário