terça-feira, 3 de maio de 2011

Osama bin Laden is dead

Lembro-me como se fosse hoje do dia 11 de setembro de 2001. Naquela manhã não tive aula, acabava de chegar da escola e liguei a televisão - como de costume - e vi dois prédios, um deles em chamas.

http://www.ohiohistory.org
Aquela cena foi chocante, mas fiquei chocado mesmo foi com a maquiagem do Carlos Nascimento. O cara estava com uma olheira fantástica por conta da correria do ocorrido. De repente o outro avião literalmente entra na torre sul do World Trade Center. Fiquei assustado e ao mesmo tempo maravilhado com aquilo.

Naquela data eu tinha 17 anos, e como muitos, era o famoso adolescente rebelde sem causa. Imagino que minha idade alimentava o que estava sentindo.

Todas pessoas que conhecia na época estavam na escola. O imperialismo americano sendo riscado dentro do seu próprio país e eu não tinha ninguém com quem compartilhar... ah meus 17 anos.

Tinha mudado de colégio no segundo semestre daquele ano, portanto não tinha intimidade com ninguém dessa nova escola. Obviamente todos da outra estavam em aula.

A primeira reação que tive foi ligar o computador e abrir o ICQ e o Messenger ao mesmo tempo para falar com alguém. Ninguém estava lá.

A segunda reação foi ligar para meus pais e informar o acontecido. Liguei, e a resposta foi “Nossa hein... que coisa...”. O mundo estava passando por um mega acontecimento e meus pais não se importavam.

A próxima pessoa que poderia ser informada seria minha irmã, mas ela não tinha celular. Pensei em ligar para minha namorada na outra escola, porém imaginei reação idêntica a dos meus pais, logo não liguei.

Fiquei ali parado em pé em frente à tv com um sentimento de euforia misturado à angustia.

Já ontem à noite, enquanto escrevia sobre a barbárie do jogo de domingo, percebi um tweet com os dizeres “CNN – Osama bin Laden is dead”. Sem perder tempo algum apanhei o controle da tv do meu lado e mudei para a CNN e estava lá: “Breaking News: Osama bin Laden is dead”. O cafofo do Osama caiu, está morto.

O âncora na CNN estava lá dizendo que uma fonte confiável confirmava a morte do Osama, um de seus filhos e mais alguém. Falavam ainda que o Obama/Osama/Obama (eu não ia perder essa =p) faria um pronunciamento em aproximadamente de 25 minutos

Um sentimento parecido ao de 11 de setembro de 2001 veio à tona. Porém sem entusiasmo. Mas a diferença quanto a quem compartilhar a informação foi completamente discrepante. Para começar fiquei sabendo na notícia via twitter. Mesmo com meu inglês pífio, corri para o canal afim de buscar a notícia na fonte. Por fim, toda a repercussão da notícia no twitter fez com que todos pudessem, de alguma forma,  falar sobre aquilo.

Diferente de 2001, não procurei o ICQ nem o Messenger. Estava tudo no twitter. Não precisei acordar minha esposa para contar o acontecido, já que a euforia já tinha se esvaido na minha timeline.

Nenhum comentário:

Postar um comentário