quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Lago das Rosas


Lago das Rosas, upload feito originalmente por Rodrigo Rodrigues Melo.
Lago das Rosas

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Sem quadro


Sem quadro, upload feito originalmente por Rodrigo Rodrigues Melo.
Sem quadro
Av Goiás Norte, St. Urias Magalhães
Enquanto pedalava...

terça-feira, 5 de julho de 2011

Roubo da minha carteira - O dia seguinte

No dia seguinte ao fato que relatei acima, tive que ir ao banco - minha agência, para fazer um cartão provisório e pagar minhas contas.

Chegando à agência vou direto a uma daquelas moças que ficam ali do lado, sempre compenetradas em seus respectivos terminais.

Contei o que tinha acontecido. Ela pegou meu Boletim de Ocorrência e procurou minha conta. Fazendo isso a moça me perguntou sobre o empréstimo e dois saques que eu supostamente teria feito no dia anterior.

Fiquei estupefato com a notícia. A moça também ficou desconcertada. De nada tinha adiantado bloquear todos meus cartões lá da delegacia.

Ela passou meu caso para outra moça. Essa outra parecia ser a “moça superior” ou gerente. Também com uma cara de preocupação começou a me questionar sobre o acontecido.

Contei tudo novamente. Então ela me disse que o banco não poderia fazer nada, já que não fui forçado a entregar minas senhas ou algo do tipo.

Solicitei o horário do empréstimo e saques. Com eles poderia ter uma noção de qual colega de serviço teria feito isso comigo, caso fosse um colega. Ela disse que não podia fornecer esses dados. Na minha cabeça latejava o lema “Foi feito para você”.

Liguei para o serviço, falei com meus diversos chefes. Me pediam calma que tudo se resolveria. Disseram que iriam pagar o empréstimo.

O banco ligou para um de meus chefes e disse que para ter acesso ao horário do empréstimo ou mesmo as imagens do caixa eletrônico, seria necessário que eu voltasse a delegacia e fizesse outro B.O., atualizado.

Voltei à delegacia no dia 06.06.2011. Boletim atualizado. De posse desse, o banco “que foi feito para mim” não o quis aceitar. Dessa vez eles disseram que precisavam de um ofício emitido pelo delegado solicitando as imagens do caixa e/ou sistema de vídeo das agências em que ocorreram o empréstimo e saques. Esse ofício consegui dia 28.06.2011.

Estou cansado.

Passei esse ofício a um dos meus chefes que, segundo o mesmo, conhece as pessoas certas para entregar isso lá no banco.

domingo, 5 de junho de 2011

Roubo da minha carteira - Primeiro dia

Tive minha carteira roubada no dia 31 de maio. Cinco anos de serviço e nunca tinha sido vítima de algo do tipo. Em todo lugar acontece isso, todos sabem, só não falam.

Só notei o furto quando faltavam cinco minutos para o final do expediente, às 17h.

Dentro da carteira estava tudo, como sempre esteve. Meus cartões de crédito, todos meus documentos pessoais e etc. Nunca ando com dinheiro, quando muito, cinco reais para poder remendar o pneu da moto, nesse dia R$ 40,00.

O trágico ficou por conta da segurança falha. Explico.

Troco todas minhas senhas de tempos em tempos. Todas! Tinha trocado todas elas no dia 30 daquele mês. Ok.

Tive que, no dia seguinte, fazer a manutenção de alguns itens na minha moto. Como tinha trocado as senhas de todos os cartões no dia anterior levei-as comigo. Onde? Na carteira.

Quando cheguei ao serviço mal tive tempo de deixar minha digital no relógio de ponto. Já tinham pelo o menos duas pessoas solicitando minha presença. Sou aquele carinha que não pode passar pelo corredor sem alguém pedir ajuda para, exemplo, ensinar como negritar uma fonte no MS Word.

O dia corre. Ao fim do mesmo vou ao armário e reparo que minha mochila está com o compartimento onde coloco a carteira aberto. Olho e não a vejo. Procuro na gaveta e nada.

Fico feito maluco procurando embaixo de mesas, armários, banheiro e etc. Nada. Já passava das 17h. Fui até minha chefe, que ainda estava lá no serviço por ser dia de pagamento e comunico o fato.

Uma força tarefa é criada para procurar por algo que não foi perdido. Depois de aceitar o fato de ter sido roubado, quis acreditar que o maldito ladrão teria deixado pelo o menos meus documentos em algum lugar. Nada.

As 17:30 vou à delegacia para registrar o famigerado Boletim de Ocorrência – B.O. A ausência de uniforme à Polícia Civil é algo que me deprime. Pergunto onde faço a ocorrência para pessoas que não sei se trabalham lá ou não.

Ah Polícia Civil. Todos eles lá, sem identificação, a mesma cara... Nada de atendimento. Chega mais gente. Começo a sentir náuseas. Ah Polícia Civil. Não sei quem é quem.

Aquele era o primeiro dia de uma tal Delegacia Virtual, ou algo assim, já que o camarada que trabalha ali não sabia nem informar do que se tratava ao certo. Disse que poderia ser utilizado caso sua ocorrência fosse a perda dos documentos, ou não, já que não sabia mesmo! Não era meu caso.

Chegam duas mulheres vestidas de forma "ousada". O mesmo camarada começa a xavecar as moças. Uma delas diz ser jornalista.

Ela não era jornalista. Conheço jornalistas.

Ele desconfiou que elas seriam namoradas de seus companheiros de elite, GT3. Elas disseram que não. Ele ficou aliviado voltou as suas encantadoras cantadas de quem, pela idade, consome viagra. Foram ficando mais e mais constrangedoras. Ah Polícia Civil.

Continua chegando gente. Apesar de toda demora, as 18:45 sou muito bem atendido. Às 19h vou para casa.

Não tenho cabeça para ir para faculdade. As provas são nessa semana que vem e não tive cabeça para ir. Revisões.

Amanhã continua o resto da tragédia.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Bare knuckle / Streets of Rage

Em 1996 consegui convencer meu pai de que o tal videogame não estragava televisão. Argumentei que o mesmo funcionava da mesma forma que um videocassete. Bingo!

Saímos para comprar o videogame e acabei optando por um Mega Drive Megavision. O vendedor - malandro que só ele - nos disse que, além dos cartuchos proprietários, o tal console suportava os cartuchos do Mega Drive, do Master System via adaptador, e vejam só, Super Nintendo. Não tinha como não comprar esse!

Ao chegar em casa fiquei por umas duas horas jogando Magic Girl, o único jogo que veio com o videogame. Depois fui à casa de um primo e peguei um cartucho de seu Super Nintendo emprestado para testar no meu Megavision. Não encaixava. Por fim descobri que só rodava mesmo eram cartuchos do Mega Drive e Master System.

Passada a frustração, que por sinal foi bem rápida, dei um jeito de comprar alguns e locar muitos jogos. Nessa época o Mega Drive já tinha perdido praticamente todo seu terreno para o Super Nintendo, o que fez com que os preços dos jogos e locações ficassem baratos.

Comprei um jogo chamado Bare Knuckle (na versão japonesa), mais conhecido por seu nome da versão em inglês Streets of Rage, vulgo “Briga de rua” para as crianças da época. Cansei de jogar nos vários níveis de dificuldade disponíveis. O cartucho deve estar em alguma gaveta aqui em casa ou se perdeu na mudança que fiz quando me casei.

Já era para o Joseph! - Clique para ampliar

O que me fez lembrar tudo isso foi o Remake do Strees of Rage que baixei há um mês. Ficou tão bom que me vi obrigado a comprar um joystick para jogar com propriedade. É só alegria!

Além do maior número de protagonistas para escolher, o jogo também ganhou mais levels e diversas opções de caminhos durante todo percurso.

Baixe aqui, o remake é freeware!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Eixo Anhanguera

Ah, o que seria da vida sem o hyperlink? Não sei e não consigo imaginar. Então vamos usar.

Vi no Goiânia Rock News, que por sua vez linka o nonanuvem filmes, um documentário sobre o Eixo Anhanguera - Goiânia - rodado em 2010 com duração de 18 minutos chamado eixo.

Para quem não sabe, o Eixo Anhanguera corta toda Goiânia de leste a oeste, percorrendo cerca de 14 quilômetros. Também, para quem não sabe, é o meio de transporte oficial dos Morlocks. E para não começarem a me taxar disso ou daquilo, sim, utilizei essa linha durante muito tempo, sei do que estou dizendo.

Aos 03min46s de filme detectei a mutação da mutação, um morlock - que parece ser do sexo feminino - foi convertido. Tornou-se religiosa fanática. Isso não pode ser bom. Mas é a prova que os humanos estão tolerando suas mutações. O professor Xavier ficaria feliz!

Tirando a palhaçada de lado, trata-se de um ótimo doc (para os íntimos)  que teve seu roteiro premiado no V Festicine Goiânia e exibições em diversos festivais de cinema.

Me fez lembrar o tempo que ficava acordado até tarde para ver o programa Zoom na TV Cultura. Já mudaram tanto o horário desse programa que já não sei mais quando passa.

Dá uma olhada ai no eixo:

terça-feira, 3 de maio de 2011

Osama bin Laden is dead

Lembro-me como se fosse hoje do dia 11 de setembro de 2001. Naquela manhã não tive aula, acabava de chegar da escola e liguei a televisão - como de costume - e vi dois prédios, um deles em chamas.

http://www.ohiohistory.org
Aquela cena foi chocante, mas fiquei chocado mesmo foi com a maquiagem do Carlos Nascimento. O cara estava com uma olheira fantástica por conta da correria do ocorrido. De repente o outro avião literalmente entra na torre sul do World Trade Center. Fiquei assustado e ao mesmo tempo maravilhado com aquilo.

Naquela data eu tinha 17 anos, e como muitos, era o famoso adolescente rebelde sem causa. Imagino que minha idade alimentava o que estava sentindo.

Todas pessoas que conhecia na época estavam na escola. O imperialismo americano sendo riscado dentro do seu próprio país e eu não tinha ninguém com quem compartilhar... ah meus 17 anos.

Tinha mudado de colégio no segundo semestre daquele ano, portanto não tinha intimidade com ninguém dessa nova escola. Obviamente todos da outra estavam em aula.

A primeira reação que tive foi ligar o computador e abrir o ICQ e o Messenger ao mesmo tempo para falar com alguém. Ninguém estava lá.

A segunda reação foi ligar para meus pais e informar o acontecido. Liguei, e a resposta foi “Nossa hein... que coisa...”. O mundo estava passando por um mega acontecimento e meus pais não se importavam.

A próxima pessoa que poderia ser informada seria minha irmã, mas ela não tinha celular. Pensei em ligar para minha namorada na outra escola, porém imaginei reação idêntica a dos meus pais, logo não liguei.

Fiquei ali parado em pé em frente à tv com um sentimento de euforia misturado à angustia.

Já ontem à noite, enquanto escrevia sobre a barbárie do jogo de domingo, percebi um tweet com os dizeres “CNN – Osama bin Laden is dead”. Sem perder tempo algum apanhei o controle da tv do meu lado e mudei para a CNN e estava lá: “Breaking News: Osama bin Laden is dead”. O cafofo do Osama caiu, está morto.

O âncora na CNN estava lá dizendo que uma fonte confiável confirmava a morte do Osama, um de seus filhos e mais alguém. Falavam ainda que o Obama/Osama/Obama (eu não ia perder essa =p) faria um pronunciamento em aproximadamente de 25 minutos

Um sentimento parecido ao de 11 de setembro de 2001 veio à tona. Porém sem entusiasmo. Mas a diferença quanto a quem compartilhar a informação foi completamente discrepante. Para começar fiquei sabendo na notícia via twitter. Mesmo com meu inglês pífio, corri para o canal afim de buscar a notícia na fonte. Por fim, toda a repercussão da notícia no twitter fez com que todos pudessem, de alguma forma,  falar sobre aquilo.

Diferente de 2001, não procurei o ICQ nem o Messenger. Estava tudo no twitter. Não precisei acordar minha esposa para contar o acontecido, já que a euforia já tinha se esvaido na minha timeline.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mais um Goiás X Vila

Eu e a dona esposa sempre damos voltas de bicicleta nas proximidades do nosso setor. Uma das melhores opções de passeio é a Praça do Violeiro no setor Urias Magalhães em Goiânia.

Aos finais de semana a praça é muito frequentada por famílias da região. No domingo, dia 24 de abril, a mesma estava lotada de famílias que provavelmente não tinham viajado no feriado da semana santa. Por acaso também era dia do primeiro jogo da semifinal do Campeonato Goiano 2011, Goiás e Vila.

Com a praça cheia de famílias e muitas crianças, as torcidas do Goiás e Vila Nova entram em confronto. Acuados, torcedores do Goiás correram em direção a sanduicheria em que estávamos. Presenciamos ao espancamento de um garoto que aparentava ter uns 12 anos e que fazia parte de alguma das torcidas. Continuam correndo atrás dos torcedores do Goiás que desta vez adentraram uma farmácia. Lá o quebra pau foi a base dos produtos da perfumaria.

Ali estávamos e não pude fazer nada a não ser protegê-la, com meu corpo, das imensas pedras que voavam de todas as direções. Não sei explicar como não levamos pedradas. Mães tendo que correr com filhos no colo para se safar das pedras. Cena horrorosa.

No momento do acontecimento, havia uma viatura da polícia militar a uns 200 metros da praça, na avenida Francisco Magalhães, e de forma inexplicável, não viram o que estava acontecendo. Tinham mais de 3 pessoas próximas a nós que estavam ligando desesperadamente para o 190. Por volta de 15 minutos depois do início de tudo, estávamos saindo do local e nada de viatura. Com 20 minutos apareceram duas viaturas que não eram da PM. Pareciam ser da polícia civil, mas eles não lidam com esse tipo de ocorrência. Ficaram dando voltas ao redor da praça no estilo em que a Rotam fazia. Não abordaram ninguém.

Nessa avenida, a Francisco Magalhães, existem pelo o menos umas duas pizzarias e outros bares que servem “espetinho”. Uma viatura parada em frente a uma pizzaria e/ou espetinho, é de agrado a muita gente, já que sempre passam segurança aos fregueses, certo?

Todo o dia, desde então, me pergunto sobre como é feita a comunicação de ocorrência à uma viatura. Estavam a uns 200 metros de distância da praça, fazendo segurança de pizzaria e não viram o que estava acontecendo e nem foram alertados.

Nunca vi uma viatura da Rotam parada em estabelecimento algum se não fosse um caso de ocorrência. Nunca vi viatura alguma da Rotam parada em estabelecimento algum comendo pizza ou espetinho.

Dizem que “quando o gato sai os ratos fazem a festa”.

Nesse domingo, 1/05, a história se repete por toda Goiânia. Brigas em praças e terminais de ônibus. Só pode ser um... Goiás e Vila.

Se a postura da PM de Goiás é de deixar os torcedores se matarem, é louvável. Ninguém se importa. Cada um faz o que bem entender com seu corpo. Se quer se matar, whatever. Porém, essas brigas não acontecem em campos de batalha, acontecem onde há presença de pessoas que não têm nada a ver com isso.

Meu desejo era que isso acontecesse. Se as torcidas organizadas se gladiassem em campos de batalha, logo logo as famílias poderiam voltar aos estádios, já que o perigo já teria se auto exterminado em outro local.

Ressalto novamente, nunca vi viaturas da Rotam paradas em frente a estabelecimentos comendo espetinhos ou pizza. Eles se impunham e eram respeitados.

Como se respeita policiais gordos comendo pizza e espetinhos a 200 metros de distância das brigas de torcidas apedrejando crianças e depredando comércios?

Já que a violência de fato é tão fascinante, fica ai um gostinho do que foi o pós jogo:

sábado, 23 de abril de 2011

Violins - Direito de Ser Nada

Depois do “Quer pagar quanto?” do Radiohead com o álbum In Rainbows de 2007, veio o disco The King of Limbs agora em fevereiro de 2011 pela bagatela de nove doletas americanas. Me senti a vontade para pagar 10 dólares no In Rainbows e fiquei mais feliz ainda ao pagar nove pelo preço tabelado do último álbum. Importante lembrar que estes foram os preços pagos pelos arquivos MP3.



Mais legal ainda foi receber um email deles informando que tinham mais duas faixas bônus para baixar para quem tinha comprado o King of Limbs!

Um dia depois das faixas bônus do Radiohead, no dia 19 de abril, a Violins lança o Direto de Ser Nada da mesma forma, arquivos MP3 via rede, por R$ 10,00 que ainda lhe dava direito a baixar mais uma faixa bônus.Entrando ai no sítio, você poderá baixar todas faixas com o bitrare a 192Kbps, ou pagar pelos 320Kbps + bônus.



Tomara que quem comprou as faixas também receba algumas outras bônus mais para frente.

Ah sim! Violins é a melhor banda de Goiânia, quiçá do Brasil.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Endomondo

O Roberto DaMatta foi o entrevistado dessa última segunda-feira, dia 10 de janeiro, do Roda Vida da TV Cultura. Achei mega estranho o fato da Marília Gabriela ser a mediadora e não o Paulo Markun, para se ter noção do tempo que já não via o programa.

Achei fantástico o comentário sobre o estereótipo do intelectual. Ele disse que em sua época, era obrigatório ter óculos para ser respeitado e tratado como um intelectual, normalmente ser magricelo e, vejam só: “comedor”.

Mas vem cá Rodrigo, o que Antropologia tem a ver com o Endomondo?
endomondo
O Endomondo é uma rede social, sim, mais uma rede social, que tem como diferencial a gravação de todos seus logs de exercícios físicos.

Chato! Vou correr, nadar, andar de bicicleta, esquiar, jogar golf e outras atividades esportivas e entrar com os dados nele?

Não, ele usa o GPS para te rastrear, analisando o terreno (em relação à altitude), distâncias e tempo, adicionado seu peso e altura, fazendo a partir disso um registro muito detalhado de suas atividades físicas.

endomondo2 Endomondo3

Existem duas versões do aplicativo, a Pro e a Free, sendo a paga disponível somente para Android e Blackberry. Há limitações quanto alguns recursos relativos a versões dos SOs, rodando praticamente em todas plataformas de smartphones. Na versão paga, pelo o menos para Android, há o recurso, Beat Yourself, que, baseado na sua atividade anterior, uma treinadora vai lhe incentivando, de forma a melhorar o desempenho na atividade atual.

Agora que voltei pedalar o Endomondo quebra um galho enorme, já que ainda não tinha comprado, e agora nem penso mais em comprar, um ciclocomputador. No meu perfil da rede social, vocês podem ver os dados e inclusive acompanhar em tempo real o desenrolar de minhas pedaladas! Para saber quando algum contato seu está fazendo alguma atividade física, é só acompanhar o twitter. Se você quiser, o aplicativo envia um tweet informando o início de sua atividade, e se também quiser, ele evia o link para que seu seguidores possam acompanhar sua jornada. Haja F5 nessa hora!

Muita gente vai franzir a testa com o fato do acompanhamento em tempo real de suas atividades físicas. Mas isso já é coisa resolvida de todos aplicativos desse mundo quanto a geolocalização, você opta por disponibilizar essa informação ou não. Ou seja, try at your own risk.

Como nos bons ciclocomputadores, ele também possibilita o monitoramento cardíaco. O Endomondo é compatível com os principais monitores cardíacos para desporto via bluetooth. Como dito acima, essa função depende da versão do SO utilizado.

Para quem não tem um pacote de dados, o aplicativo registra toda sua atividade em off, e quando chegar em casa, ou hotspot, você transfere seus registros. Partindo disso, você não tem como verificar em tempo real as rotas e mapas da região e nem compartilhar com o demais suas peripécias ciclísticas no ato em que acontecem.

Tem um monte de outras funcionalidades que ainda não utilizei. Fazia tempo que não me empolgava com um novo aplicativo. Sem sombras de dúvidas, o recomendo.

Ok, Rodrigo, cheguei ao final do texto e não compreendi a relação do Roberto DaMatta com o Endomondo.

Lembrando do quesitos que ele disse serem necessários para ser considerado um intelectual à época, ele só tomou para si os óculos. Tornar-se um “comedor” não foi necessário, já que disse que se casou cedo, porém, tornar-se um magricela, alguém que não se importa com o próprio corpo, não.

Longe de ser intelectual, talvez um geek, estou eu aqui tentando zelar por minha saúde, e compartilhando a incrível experiência que tive com esse aplicativo, disponível gratuitamente para Android e demais plataformas.