quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Considerações a respeito de 2009


Conclusões de 2009


Não são necessários três anos de relacionamento para se casar.

Conheci minha esposa em abril de 2008, viajei com a mesma em julho do mesmo ano para as famosas praias do Rio Araguaia – GO onde passamos mau "horrores" por algum tipo de contaminação. Depois dessa terrível fatalidade, percebemos que nos preocupamos demasiadamente de forma recíproca, e que portanto, aquela relação já teria forças para ser algo mais do que já era, e sim, se tornou. Noivos em agosto de 2008 nos casamos em janeiro de 2009 com desaprovação de 90% dos familiares de ambos os lados.


Não retornei ao mundo acadêmico em 2009 como tinha antes planejado.

Também não retornarei ao curso de jornalismo, apesar de achar que hoje é o que mais satisfaria minha vontade de aprender. A maldita responsabilidade faz-me optar por algo que me dê um retorno financeiro a menor prazo. Então a área de tecnologia é a solução, mesmo que o Kumon não tenha me ensinado matemática. Como alguns mais próximos já sabem, a área da tecnologia não tem condições mínimas de me ensinar o que quero aprender, só a área de humanas o fará, um dia.


Reconheci que de fato sou muito egoísta.

Alguns já sabem o que querem ser desde crianças (ou querem crer nisso). Outros já se decidem na maldita adolescência ali no segundo grau ensino médio. Eu nem mesmo sabia que teria que continuar estudando depois que acabasse o oitavo nono ano! Fui descobrir que existia estudo após o ginásio com minha amiga Juliana. Foi um baque violento.
Na questão do conhecimento/reconhecimento tardio, aprendi que sou extremamente individualista após o convívio com minha esposa. Venho me esforçado para driblar meu instinto egoísta para fazer nosso relacionamento permanecer mágico como está.


Caí de cabeça na cultura evanescente.

Apesar de continuar a ver e cultuar o que anteriormente muito me agradava, hoje vejo tudo quanto é porcaria que passa na mídia. Duvido que esteja sendo arrogante ao chamar 90% do que passar na tv, rádio (se bem que essa mídia já não ouço a mais de 10 anos a não ser para notícia) e cinema de porcaria. Cine Ouro, Cine Cultura me aguardem que em 2010 estarei de volta!



Ensaio para 2010


Fazer dois virarem três

Sim, eu quero um filhote de Rodrigo e Isabella. Meus olhos se enchem d'água só de imaginar. Claro que, como todo pai, tenho pavor de imaginar que ela/ele vá para micaretas (carro rebaixado, som automotivo, camisete e correntinha de bolinha no pescoço) e que venha gostar de todas essas coisas ditas mazelas do mundo, mas mesmo assim quero.

sábado, 21 de novembro de 2009

SIM - Sistema de Informação Metropolitano


Há muito tempo atrás, nessa terrinha distante das capitais, sonhava com o dia em que todo ônibus coletivo de Goiânia tivesse GPS. Sim, e que através desse dispositivo pudéssemos verificar o horário em que o nosso carro, como dizem os motoristas, fosse passar pelo ponto.

Na minha ideia poderia, por exemplo, abrir o sitio da companhia de transporte coletivo e verificar a que horas o meu ônibus passaria pelo ponto próximo ao meu serviço, poupando-me gasto de tempo desnecessário ou mesmo acelerando meu passo para não perder o próximo.

Pois então, agora é fato. Já podemos contar com um serviço similar, para não dizer melhor. Estreou ontem, dia 19, o SIM - Sistema de Informação Metropolitano. O nome me soou genérico demais, mas a informação é inerente aos serviços de transporte coletivo da grande Goiânia.

Resumindo, o serviço mais interessante se dá através do envio de um SMS, famigerado torpedo - visto o legal pacas, para o número 28000 (28028 se sua operadora for a TIM) + o número do ponto que quer os horários. O texto fica da seguinte forma:

pt XXXX

Por exemplo, para saber a que horas o próximo ônibus passa no ponto aqui ao lado de casa, envio a seguinte mensagem:

pt 4406

Ao menos quando envio, a demora para entrega do SMS ao destino é considerável, algo em torno de dois minutos. No sítio da Rmtc Goiânia - Rede metropolitana de transporte coletivo - afirmam que o tempo de espera é relativo a cada operadora, no meu caso a TIM. Depois de feita a entrega a resposta é rápida.

Na resposta consta os números das linhas disponíveis para aquele ponto e seus respectivos próximos dois horários de passagem para o mesmo.

Sim pessoas, está ai um serviço de fácil uso e muito prático. Integrando o leque de serviços disponíveis pelo SIM, temos ainda:

- Sítio WAP - wap.rmtcgoiania.com.br;
- Displays em locais de grande concentração de pessoas com informações em tempo real sobre as linhas;
- i-Center, algo como um display que será instalado em terminais e shoppings e que possibilitará a interação do usuário;
- Roteirizador de trajetos através do Google Maps.

Foi por meio desse último, o Google Maps, que fiquei sabendo dessa usurpação de ideia por parte da Rmtc. Procurava saber a distância da minha residência a um destino, quando verifiquei que estava disponível a opção de trajeto por ônibus.

Embasbacado com aquilo, um serviço antes só disponível para São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, resolvi expressar tamanha surpresa via twitter, e acabei recebendo uma resposta da @maricapeletti, um dia antes da estreia, me informado sobre os serviços do SIM.

Portanto, roubaram minha ideia e aprimoram-na. O Ramon - @optmus é a testemunha que mais sabe do assunto, fora os outros próximos que tanto me ouviam falar dessa minha ideia dos tempos em que eu era um heavy user de ônibus.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Verificando a autenticidade do seu pendrive Kingston

Sei que se trata de algo a muito publicado, mas como o número de pessoas que me procuram para saber a respeito vem crescendo, resolvi deixar aqui o link para verificação de autenticidade de flashdrives da Kingston.

Infelizmente ainda não contamos com um programa que possa atestar a autenticidade assim que o plugamos ao pc. No metodo aqui relatado, a avaliação é feita por meio das informações contidas na embalagem do produto. Após fornecer os dados, o usuário recebe um email da fabricante informando se o objeto em questão é falso ou não.

Meu interesse sobre a autenticidade dessas mídias veio de quando fui ao camelódromo comprar memória microSD para meu celular. Em uma banca a memória está em um tipo de embalagem, outrora está em outro. Depois de comparar em seis bancas diferentes, percebe-se dois tipos de embalagens. A surpresa maior foi descobrir que a embalagem comum, sem apetrecho algum, era que a acomodava a memoria original. Já a outra que contava até com um selo holográfico, era a falsica.

Fiz o teste da minha memória microSDHC de 4GB e consta como original. Já um pendrive que comprei numa famosa loja de informática de Goiânia, está sob investigação minha desconfiança. O desempenho do dispositivo caiu consideravelmente de uns tempos para cá e para verificar a boa procedência, preciso encontrar a embalagem do produto.

Além de descobrir sobre as memórias piratas, também descobri que posso ter mais de 120 canais via satélite sem pagar mensalidade, a não ser por uma pequena taxa de adesão, R$ 1.000,00, mas essa é outra história.

domingo, 30 de agosto de 2009

Cor do cabelo

Ao buscar minha esposa na rodoviária reparo seu novo corte e cor de cabelo. O corte muito me agradou, mas a cor estava completamente fora do contexto/nível social em que vivemos. Estava meio amarelo, meio laranja e boa parte preto. Fiquei chocado e não comentei nada de imediato. Viciado na rádio cbn, começamos a discutir a pauta do momento. Falavam sobre a Dilma Rousseff e a outra lá que não me recordo do nome agora. Na hora vem-me o flash do penteado da Rousseff na década de oitenta e início dos anos noventa. Vem uma súbita vontade de rir. Mas não ri, policiando-me para não parecer que estaria rindo do cabelo da minha esposa.

Blá blá blá político com um mix de intrigas corriqueiras em ambos ambientes de trabalho, deparo-me então com o portão de nossa casa e nossas três cadelas nos esperando. Cada uma mais empolgada que a outra para contar o que tinha ocorrido aquela tarde toda e claro, mendigando um pouco de atenção e comida diferente de ração. Na verdade imagino que para elas a ordem seria, primeiramente, algum aperitivo diferente e depois atenção. Percebi que não teria como não comentar sobre o cabelo.

Ao manobrar o carro na garagem, solicito a atenção dela para me certificar de que não vou arranhar o pára-choque. Ok, seria inevitável não perguntar sobre a intervenção na cor do cabelo. Ao descer do carro olho para ela, quase rindo, e pergunto:

- Então amor, pintou o cabelo?

- Ah, não, não é isso, comecei o processo para mudar a cor dele, só que não deu tempo de terminar hoje.

- Ah, pois é, está muito preto ai na nuca, e no restante do cabelo está... multicolorido.

- Então, não deu tempo de terminar. Amanhã eu nem vou passar no serviço na primeira hora, vou direto para a cabeleireira terminar, se não minha mãe me mata. Ela viu e já fez escândalo.

Todo o diálogo com uma dose de humor saudável.

No outro dia, ao buscá-la, logo trato de analisar o estado do cabelo. Corte: impecável - Cor: duas cores. Dessa vez de moto, o trajeto se torna um pouco mais silencioso. Uma vez ali, a atenção ao trânsito tem que ser triplicada, afinal, quem vai na garupa é a futura mãe dos meus filhos.

Ao chegar em casa, solto a máxima:

- Então amor, quando é que vai conseguir tempo para arrumar de uma vez por todas seu cabelo?

- Rodrigo, era essa a cor que eu queria.

- Mas está preto e marrom!

- A parte mais clara são luzes. A cor é chocolate.